O tesouro Panakui muda a sua vida

Nós temos a solução para o problema da Dengue.

Temos sementes da Moringa, a planta que mata a fome e combate a desnutrição

A nova escola ecológica está sendo erguida no Panakuí

Horta urbana em qualquer tamanho. Garanta o seu alimento!

A respiração como caminho da cura, no Panakuí

Parabéns São Luís sítio ecológico

Um presente especial para você

Como estou tratando o tumor no cérebro

O maior negócio ecológico do Maranhão. Seja um associado da S.I.A Panakui

Um sítio antropológico para o coração do Brasil

Universidade Livre e a valorização dos sábios e sábias tradicionais

O conhecimento não tem dono. Pertence à sociedade. Não pode ficar restrito aos muros das instituições de ensino. Paulo Freire, considerado um dos maiores sábios do século XX, disse que o conhecimento existe em todos os níveis e que é preciso que haja o sentido da equivalência. Não existe aquele, ou aquela, que sabe mais. Todos sabem, todos ensinam e todos aprendem. É o que defendemos, na Universidade Livre Panakuí. Venha conhecer os nossos cursos, o nosso método. Seja um sitiante ecológico e tenha, no espaço do sítio, uma Universidade Livre. Assim criaremos, em uma espaço de tempo pequeno, uma grande rede unidos os sábios e sábias, pessoas simples e que detém um conhecimento enciclopédico sobre os mais diferentes temas

.ilustra_014

O mergulho profundo das crianças no Sítio Panakuí

Elas chegam em uma manhã ensolarada. Desceram do ônibus e começaram a grande aventura: um dia no Sítio de Inteligência Alternativa Panakuí.

A estrada de terra está muito ruim. Elas descem do ônibus, carregam as suas bagagem e fazem a pequena viagem a pé. No caminho, observam as casas simples dos moradores, seus jardins, as flores na beira da estrada. Tudo é novidade!

À frente da turma está Professora Avani. As crianças participam da Convida e fazem o debate da Agenda 21 de duas escolas públicas.

O dia foi movimentado: prepararam a terra, plantam mudas, pisaram a terra molhada e fizeram tijolos ecológicos. O dia estava apenas começando!

Na trilha da floresta, abraçam as árvores, respiram ar puro, conversam com as palmeiras. Elas aceitam todos os desafios. As crianças não colocam barreiras, a intuição flui com liberdade.

Na escola aberta do Panakuí a aprendizagem acontece através da experiência. Elas contam estórias, projetam sonhos, desenhos o futuro.

Na trilha do mangue, algumas resistem um pouco, mas logo estão pulando e gritando, com os pés na saudável argila..

Foi um animado dia ecológico. Com as crianças estou sempre aprendendo. Obrigado, crianças! Obrigado, professora Avani!

Curso para a criação de abelhas nativas no Panakuí

Mel da tribo

Em uma parceria com a Mel da Tribo, do pesquisador Maurício Bezerra, em breve realizaremos o primeiro curso para as pessoas interessadas na criação das nossas abelhas nativas.

Por enquanto, temos o mel Tiubinha, em embalagem de 460 gramas, no valor de R$ 20,00.

O mel da abelha nativa é muito usado para fins medicinais, para a produção de xaropes e para o consumo. Encomendas pelo fone (98) 98888 3372.

Uma revolução com o reaproveitamento do resíduo orgânico doméstico.

Todos os dias um Milhão de Reais é jogado fora, pela população,  em São Luís. Em 2014, estimamos o desperdício, na capital do Maranhão, em R$ 360 milhões de reais. Mais a despesa da prefeitura com a coleta do lixo, estimada, em média, em 12 milhões ao mês, chega-se ao valor de 504 milhões o desperdício anual  com o resíduo orgânico doméstico.Até quando?

São Luís produz cerca de 500 toneladas/dia de resíduo doméstico, a sobra de comida. Avaliado em R$ 2.00 o quilo, durante o dia o prejuízo, para a população, alcança a cifra de um milhão de reais. Multiplicando por 30 dias, vezes os 12 meses, atinge-se a cifra de 360 milhões de reais. A despesa com a limpeza pública, que recolhe o lixo da rua é apenas uma operação onde se jogar o lixo debaixo do tapete. Apenas muda o problema do lugar, agravando-o.
Além do prejuízo, o dano à natureza é gravíssimo. Todo o material recolhido pela prefeitura, com um custo elevadíssimo por tonelagem, esgotou o Aterro Sanitário da Ribeira, contamina as águas subterrâneas.
A soluções existe.
O Kit Orgânico Panakuí, um recipiente que facilita a coleta do resíduo doméstico, nas residências, permite o beneficiamento do produto em adubo sólido e líquido, para uso na agricultura rural e urbana E nós propomos a campanha Resíduo Orgânico Doméstico, o que evitaria o prejuízo milionário, e ainda transformaria as cidade em um Centro Produtor de Hortaliças e Verduras.

O Brasil tem cerca de 5.000 municípios. Em praticamente todos, o problema se repete. São bilhões de reais desperdiçados todos os dias, recursos que poderiam impulsionar a revolução na saúde, na agricultura, na geração de renda.
Assim, convivemos, em 2014, em  São Luís, com um prejuízo na esfera dos 504 milhões de reais.

A lei Nacional de Resíduo Sólido, que foi tema das conferências nacional, estaduais e municipais, orienta para a reutilização dos resíduos. Falta cumprir a lei. Enquanto isso, o desperdício prossegue. Até quando?

Ou seja: daria para começar uma Revolução Ecológica na capital do Maranhão. Ou em qualquer cidade do Brasil.

O Kit Panakuí é uma tecnologia desenvolvida no Sítio de Inteligência Alternativa e pode ser levada para todo o Brasil, através da campanha Resíduo Orgânico Zero. Além do Kit Panakuí, desenvolvemos também a microcomposteira feita de cano, a composteira maior feita em tonel ou tubo de cimento, e o secado solar, feito com recipiente de flande ou alumínio. Vejam as imagens:

s:DSC08716 DSC08826 DSC09189

Pesquisador relata a experiência que viveu ao conhecer o Sítio Panakuí

Um mergulho na ecologia intuitiva do Panakui

Quero compartilhar aqui uma experiência ímpar que tive, em São Luís, no Maranhão.

Saí de São Paulo no dia 06/07 para conhecer uma experiência que me encantou quando li o livro Sítio Ecológico, um guia para salvar a terra, escrito por um homem iluminado e plenamente comprometido com as causas planetárias.  Este homem é Moisés Matias. Tive o privilégio e a honra de passar um dia  com este ser de luz, que me acolheu com muita simplicidade, hospedando-me em sua residência.

Com toda generosidade me falou de seus projetos de vida, do seu comprometimento com a causa da criação e  construção do Sítio Ecológico, mostrando-me que este nasce primeiro no nosso interior, no nosso coração, para depois externalizar-se.

Moisés Matias levou-me ao Sítio Panakuí, onde vivenciei uma verdadeira conexão com o sagrado presente na genuína natureza ali exposta. Pude compreender o que é um sítio ecológico ao vivenciar esta rica experiência.

Confesso que estou muito grato por tudo que aconteceu e também esperançoso com os passos que vou dar na construção do meu futuro sítio ecológico.

Moisés Matias, gratidão, camarada!

Sebastião de Oliveira Coelho

Professor e pesquisador

Diadema (SP)

Um sítio urbano e musical excepcional

DSC09569 DSC09576

A casa tem uma frente comum: porta, janelas e garagem. Mas quem adentra à residência do Casal Alan Ribeiro e Núbia Maranhão, penetra em um universo ecológico construído com esmero e dedicação.

No pequeno quintal, Alan Maranhão faz compostagem, reaproveita materiais, constrói com madeira de construção e cultiva plantas em jarros.

No espaço há plantas ornamentais, condimentos e hortaliças em prateleiras, nos cantos e nas escadas. E o beija-flor, nas visitas furtivas.

“É assim que aproveito o tempo, quando estou em casa”, explica Alan.

Ela é professora e cantora, Ele é músico e arranjador. O casal se volta para a vida ecológica. “Procuramos fazer a nossa parte, cultivando alimentos e evitando o desperdício”.

Além da música, Alan carrega a tradição ecológica. Em busca de mais espaço para o arte da ecologia, o casal ensaia para um voo maior mais amplo, longe do asfalto e próximo à natureza. Aguardem o novo show da dupla.