Arquivo da categoria: ecologia e criatividade

Panakuí e AABB promovem oficina e sorteiam 15 vagas para multiplicadores ecológicos

O que podemos fazer com borra de café em São Luís? Participe desta iniciativa.

Venha conhecer o maior laboratório de ecologia intuitiva do Maranhão.

Alimentos: o poder da energia vital

10

O médico Klaus T. Finkan, que vive no interior do Maranhão, ensina que nosso corpo foi criado para funcionar com os elementos vitais que encontramos nos alimentos naturais e que, antes de tudo, é o grau de vitalidade que conta. Assim, o feijão germinado, a semente de gergelim crua ou deixada de molho são alimentos vivos.
Podemos desenvolver nossa vitalidade substituindo aos poucos os alimentos que poluem nosso corpo por alimentos vivos.
Em duas regras ele o método para a saúde:
primeiro:
Para manter a saúde é preciso comer alimentos vivos e evitar os alimentos industrializados (alimentos tóxicos)
Segundo:
A qualidade também é dada pela variedade. Precisamos comer vários tipos de alimentos.
O que precisamos fazer para germinar sementes e grãos?
Não é muita coisa!
Ar, água, calor e uma pitada de boa vontade.
Um vidro grande com boca larga
Um pedacinho de tela
Um anel de borracha ou barbante. Espere 24 hs e boa refeição!
(Mais no livro Ecologia e Estresse).

Caminhos da Ecologia Profunda

No caminho para o Sítio Panakuí saio da área urbana, atravesso alguns bairros e lentamente começam as imagens da ruralidade. Em São Luís/Ma, infelizmente, as imagens rurais estão associadas à destruição da natureza e à pobreza. Por aqui rural é sinônimo de Sibéria, ou seja, abandono e castigo. Sigo em frente.

Em uma área grande, vejo se repetir novamente a cena da vegetação rasteira queimada. Em uma enorme área o proprietário – criminoso – toca fogo para ter um pouco de pasto para o gado, no final do verão, nas primeiras chuvas. Todo ano a coisa se repete. E nada acontece.  No meio da área queimada, um belo Ipê Amarelo, florido, parece levantar-se como um dançarino, no meio da arena de cinzas.

A noite de lua cheia guarda os seus encantos. Na manhã, a lua cheia resolve pousar na minha casa.

Na breve caminhada, chego ao porto. A maré está cheia. A lua está muito próxima da terra. As canoas artesanais balançam, refletindo-se na água cristalina.

É tempo de caju. O seu aroma está no ar. Recolho alguns vermelhos, outros amarelos. Como é bom comer uma fruta colhida com as mãos. E a safra, que está acabando, ainda está espalhada pelo chão, debaixo do robusto cajueiro. As crianças, satisfeitas, já não querem o suculento fruto. Faça a colheita e sigo para um desjejum com a fruta cortada. Tudo natural.?????????? DSCN3218 DSCN3224

D

José de Sales, um sábio da Universidade Livre

CAM00159

Eu o conheci há uma semana. No final da Feira de Livros, na Praia Grande, quando estava arrumando os móveis rústicos da exposição que fizemos, encontrei José de Sales Rodrigues, 58, o chefe do setor de transporte da FUNC. Ele iria levar as peças para o sítio.  Natural de Buriti dos Lopes/PI, Sales é atencioso e educado. Em pouco tempo estava tudo resolvido. Entre uma conversa e outra, falei do sítio e o convidei a fazer parte da rede, como faço com quase todos (as) que conheço.

Então, Sales começou a falar das galinhas, dos patos, dos perus e da cabra que cria em um terreno, no bairro Anjo da Guarda. Prontamente me prometeu adubo de galinha. Curioso, dias depois liguei e fui fazer uma visita ao sítio urbano de José Sales.

O que vi na casa deste homem é algo simplesmente impressionante! Em uma área menor que muitas varandas ele cria galinhas, patos, perus, e uma cabra que produz 2 litros de leite, que ele tira para alimentar a netinha.

Todos os animais são bem tratados. No canto do pequeno quintal tem um pé de banana com um cacho enorme, um dos maiores que já vi. Na pequena varanda há inúmeras plantas, inclusive um pé de batata no jarro.

José de Sales Rodrigues é um sábio. Sua sabedoria pode tirar São Luís da crise alimentar, servindo de exemplo para a produção de alimentos nos pequenos espaços da área urbana.

Apaixonado pela ecologia,  ele já tem uma área maior, no bairro Argola e Tambor, para onde pretende se transferir em breve, e mais duas áreas, com cerca de 60 ha, no município de Água Benta do Maranhão. Parabéns, caro mestre, pelo amor à vida  e por apresentar a São Luís – e ao mundo – o exemplo da vida simples e ecológica.

Oficina Panakuí. Inauguração da exposição permanente de móveis rústicos.

 

A arte da marcenaria é uma das mais antigas. No Panakuí estamos montando uma das maiores exposições permanentes de moveis rústicos, feitos por artesãos parceiros. É mais um empreendimento voltada  à valorização do conhecimento tradicional e dos materiais. A madeira da oficina Panakuí é recolhida nos caminhos e reaproveitada.

Recolhemos madeira descartada na cidade e nas áreas rurais. Trabalhamos com troncos e galhos, além de alguma madeira industrial, como sobras das construções e embalagens.

Queremos, com a oficina Panakuí, demonstrar que é possível construir móveis e obras de arte sem causar desmatamentos, mas aproveitando a madeira que normalmente não é utilizada, como os troncos, as raízes e os galhos.  Assim, valorizamos a oficina dos sítios ecológicos, bem como o saber dos mestres marceneiros, categoria que corre risco de extinção. DSCN3095 ?????????? ?????????? DSCN3132 ??????????

Sou um homem feliz. Tenho muitas amizades!

Eu estou profundamente emocionado. Recebi centenas de votos de felicitações, vindas de lugares distantes, de pessoas que gosto, que convivi, em alguma fase desta maravilhosa vida, mas que por várias razões tivermos que nos afastar. E, no dia do meu aniversário, recebo abraços, beijos, palavras carinhosas…
Não posso agradecer a todos e a todas, mas quero manifestar a minha profunda alegria a todos os amigos , todas as amigas e parentes que pensaram em mim, que desejaram felicidades, que mandaram abraços e beijos.
Saibam que hoje, dois dias após o meu aniversário, que foi no dia 30.08, ainda estou sob o efeito das felicitações que recebi. E, pelo visto, elas me acompanharão por todo ano de 2012, até o próximo aniversário.
Eu não posso manifestar pessoalmente a minha alegria a todos (as) vocês, mas o meu pai de bondade, que sabe tudo e que conhece os nossos corações, pode. Que Deus abençoe, ilumine e guarde cada um(a) dos meus amigos e parentes.
Hoje também recebi um grande presente. O escritor e jornalista Alberico Carneiro publicou na edição deste domingo uma longa entrevista comigo, onde falo de ecologia e outros assunto, no JP ecológico. Valeu, Alberico Carneiro e Jornal Pequeno.
??????????

É meu aniversário. Posso pedir um presente?

fotos 184

Nesta sexta completarei 49 anos. Uma data feliz. Em breve serei cinquentão. aproveito a data, onde normalmente recebo muitos cumprimentos e felicitações, para pedir um presente especial para você.
É que recebi um convite para participar do Encontro Internacional de Permacultura, que acontece em Cuba, no mês, de novembro. Lá, quero apresentar o projeto Sítio Panakuí, uma proposta que ativa a Felicidade Interna Bruta (FIB).
O presente que quero pedir é o seguinte:
Compre um dos meus livros e contribua para a minha ida para o Encontro de Permacultura.
Tenho ainda alguns exemplares do livro Sítio ecológico, um guia para salvar a terra e uns 300 livros do Ecologia e Criatividade. O próximo livro, Ecologia e Estresse, será lançado em breve, mas já pode ser encomendado. Os livros custam, cada um, R$ 25,00, e posso enviá-lo pelo correio para qualquer parte do Brasil.
Vendendo os livros, irei para o Congresso Internacional de Permacultura e, na volta, estarei ainda mais envolvida com a ecologia, ampliando a proposta do Sítio Ecológico para todo o Maranhão, para o Brasil.
Posso contar com você?
Para maiores informações, favor ligar para (98) 8888 3372
moisesmathias@gmail.com

Rede Escola Sítio Ecológico, hoje na Escola do Coquilho

No anexo escolar do Coquilho, na zona rural de São Luís, apresentaremos a proposta Escola Sítio Ecológico.
Professores, técnicos administrativos e alunos conhecerão a proposta que mostra, na prática, como podemos transformar o ambiente escolar, adotando ações simples.
Escola na escola, uma planta por alunos, reciclagem do lixo, aproveitamento da água da chuva, produção de adubo e outras ideias que funcionam.
O Coquilho é um povoado rural situado a 20 km do centro de São Luís. Fica na região onde está situado o Sítio Panakuí.
Faremos uma palestra, seguida de debastes, perguntas e respostas. Na sequência, farei o lançamento dos livros Sítio ecológico, um guia para salvar a terra, e Ecologia e Criatividade.
Em uma outra data a escola participará de uma vivência ecológica, no Sítio Panakuí.
Implante também na sua escola o projeto Sítio Ecológico. É bom para a educação, a natureza, para a saúde e todos podemos fazer a nossa parte. Contatos para agendamento: 98 8888 3372
Moisés Matias
DSC02679

Vaga para estagiário ilustrador

Estamos concluindo dois livros e busco estagiário ilustrador para fazer as ilustrações das publicações.

O tempo de trabalho é livre, pois as ilustrações podem ser feitas na casa do ilustrador e enviadas por e-mail.
A pessoa selecionadas, além dos ganhos com as ilustrações, passará a fazer parte do grupo de parceiros do Sítio Panakuí, participando assim do mais arrojado projeto ecológico em implantação, no Maranhão.
Os interessados devem mandar uma ilustração livre, inspirada fotografia desta publicação, e um currículo resumido para moisesmathias@gmail.com.

Moisés MatiasDSC02679

Seja a solução. Não jogue dinheiro fora

A solução caseira para a crise do lixo

O aeroporto de São Luis poderá ser interditado por conta da presença de urubus.
O Aterro da Ribeira, instalado a menos de 8 km do aeroporto, é uma ameaça permanente, pois as aves de rapina, os urubus, passam a plainar no céu e se tornam o terror para as aeronaves.
Pois bem, tenho uma solução caseira para o problema.
Vamos desativar completamente o Aterro da Ribeira e, a partir de hoje, vamos fazer o tratamento completo do lixo dentro de casa. Isso Mesmo!
É exatamente isso que faço, na minha casa, há mais de dois anos. Todo o lixo orgânico da residência , cerca de 25 kg por semana, é totalmente reaproveitado.
Casca de banana, sobra de comida, verduras passadas e outros resíduos se transformam em adubo líquido e em adubo sólido e acabam voltando para a cozinha na forma de verduras e legumes.
O Governo pode montar um sistema de formação e estimular as pessoas, em suas casas, a tratar o material orgânico, na sua cozinha.
Assim, a massa de lixo sofrerá uma redução de mais de 60 %, baixando consideravelmente o custo bancado pelo contribuinte da coleta do lixo. Todos sabem: é o lixo orgânico que estraga, atrai animais, insetos, doenças. E os urubus do aeroporto.
Com o tratamento do lixo, nas residências, a área interna das casas fica limpa, há uma considerável economia doméstica. O que vai para o lixo é dinheiro, até do salário, uma vez que foi comprado no peso.
As casas ficam mais limpas, a cidade fica mais limpa, há mais saúde e alimentos, com a construção de pequenas hortas nas varandas e nos pequenos quintais. Muito simples, não?
E revolucionário. Os interessados podem obter mais informações no 8888 3372PAG 3 - SÃO LUÍS RESÍDUO ORGÂNICO ZERO – 2013 copy
Moisés Matias

Panakuí receberá delegação de artistas neste sábado.

IMG_4976
Projeto Ateliê Aberto em Sítio Ecológico

Terá início amanhã, 24 de agosto, o Projeto Ateliê Aberto, idealizado e executado pela equipe da Galeria Trapiche Santo Ângelo. A dinâmica da atividade envolve a participação de artistas visuais locais em trabalho de criação artística em determinada localidade do território maranhense, previamente escolhida pela equipe da Galeria, em concordância com os artistas. No local, que pode ser um sítio, uma praia, uma beira de riacho, uma lagoa, uma ilha ou qualquer outro local natural de rara beleza cênica, os artistas, durante um dia, produzirão obras em contato com a natureza, de preferência utilizando matéria-prima nativa.
A primeira ação do projeto será desenvolvida no Sítio Ecológico Panakuí, que se localiza no povoado de Coquilho, na Ilha de São Luís. Para a efetivação do trabalho, um grupo inicial de 06 (seis) artistas foi convidado. São eles Romana Maria, Paulo César, Carlos Martins, Isabel Matos, Ângela Ferreira e Felício Belfort. Todos trabalharão com a técnica da cerâmica.
No sítio, sob o comando do jornalista e ambientalista Moisés Matias, os artistas farão uma trilha na qual haverá uma vivência de integração com a natureza, seguida de almoço. “Iremos oferecer, além da refeição, uma caranguejada para os artistas, como cortesia da casa; a ideia é continuar com a proposta, que tem tudo a ver com a filosofia ecológica e criativa do Sítio Panakuí”, diz Moisés Matias.
A argila para a execução das obras será fornecida pela Galeria; os trabalhos produzidos serão guardados para que, após a efetivação de outras ações do projeto, com periodicidade mensal, que incluirá pintura, escultura, fotografia, dentre outras linguagens, sejam reunidos para compor, futuramente, uma exposição na própria galeria. “Essa é mais uma atividade gerada a partir das nossas propostas culturais neste espaço artístico, que visa privilegiar os artistas visuais locais, promovendo, ainda, uma integração cultural entre os próprios artistas; tem muita gente fazendo arte e que não conhece o trabalho de outro artista, de tal forma que o projeto irá facilitar os encontros entre os criadores da arte visual maranhense”, declara o diretor da Galeria Trapiche, o poeta e jornalista Paulo Melo Sousa

A arte em ferro de Carlos Martins, na escola Crescimento.

Uma obra de arte feita de ferro impressiona. No muro de entrada do Colégio Crescimento, no Renascença, o escultor Carlos Martins construiu uma obra de primeira grandeza. Quatro crianças suspensas no ar vivem a aventura da leitura, brincam com a roda, balançam no banquinho suspenso nas cordas e retornam à leitura.
A obra prende a atenção de todos que trafegam na avenida.
A obra diz que aquele local é um um espaço para o estudo, mas há espaço para o lúdico, a brincadeira saudável. Passa o conceito da educação como um deleite para o espírito.
Nesta noite a obra estava iluminada por uma lua generosa e brilhante.
Parabéns ao artista Carlos Martins, parabéns aos proprietário da Escola Crescimento, pela sensibilidade demonstrada ao contratar o artista. Mas quem ganha o presente é a cidade de São Luís. Com certeza será um cartão postal da escultura em ferro, uma das mais delicadas que já vi.DSCN2234

DSCN2236

DSCN2244

DSCN2243

Sítio Panakuí participa da ação de combate à poluição.

DSC00423
DIA DE COMBATE À POLUIÇÃO

Como primeira ação do Projeto São Luís + verde, será realizada a Ação de Educação Ambiental na área verde existente no Bairro do Angelim com 136.607 m2, área que foi solicitada para ser transformada em Parque. O dia 15 e 16 de agosto foi escolhido pela sua proximidade à data de combate à poluição, dia 14/08.

Local: Área solicitada à SEMMAM para criação de parque, Inscrição Imobiliária No. 54045: Área verde entre Bequimão e Angelim (em frente ao condomínio Pedra Caída).
Endereço: Rua da Paz – Angelim
Data: 15 e 16 de agosto de 2013
Público – alvo: Comunidade e empresas locais e Escolas Municipais locais
Parceiros internos: SEMMAM ( CEA, CRA e ASCOM), IMPUR, SEMOSP, Guarda Municipal e SLEA.
Parceiros externos: Empresas Locais; Alumar; IBAMA; Sítio Panakuí.
Objetivo: Orientar, conscientizar e divulgar para os moradores e estudantes da área contemplada sobre os diversos tipos de poluição e as principais
formas de combatê-los. Com foco na poluição do ar e das águas, executando ações de adensamento vegetacional com mudas nativas e enriquecimento do solo através de técnicas de permacultura.

Programação:

DIA 15/08/13
15:00 AS 15:30 – SEMMAM
15:30 AS 16:00 – MOISÉS MATIAS. Palestra São Luís Resíduo Orgânico Zero.
16:00 AS 16:30 – ASDEVIMA
16:30 AS 17:00 – IBAMA
DIA 16/08/13
07:30 CONCENTRAÇÃO UEB NETO GUTERRES
08:00 AS 08:30 CAFÉ COM FRUTAS NO CAMPO
08:30 AS 11:00 ATIVIDADES PARALELAS ( PLANTIO DE MUDAS, MUTIRÃO DE LIMPEZA, OFICINA Resíduo orgânico zero (Moisés Matias), RECEBIMENTO DE RECICLÁVEIS).

Ecologista faz do coco um incrível negócio ecológico

No último dia do curso Ecologia e Criatividade recebemos no Sítio Panakuí a ecologista Luzete Silva. Acompanhada de duas crianças e uma sobrinha, Luzete Silva conheceu as estações do sítio, caminhou no mangue e aproveitou um pouco o melhor ecológico.
Formada em letras e concluindo o curso de Direito, Luzete é uma empreendedora ecológica. Há três anos ela começou a implantar, na região do Coquilho, cerca de 4 km distante do Sítio Panakuí, um fábrica para aproveitar todos os recursos do coco da praia.
Atualmente entrando na fase de comercialização dos produtos, ela está produzindo mantas ecológicas, para impermeabilização de estruturas, composto orgânico para plantas, tapetes e telas com os fragmentos da casca do coco, óleo de coco e ração para animais.
Em uma parceria com a Prefeitura de São Luís, em breve começará a receber os cocos consumidos na cidade, onde a prefeitura fará a coleta e o transporte até a fábrica.
“Ainda temos alguns produtos para extrair, como o tanino, o extrato da casca, com ampla utilização na indústria de tintas e perfumes, mas já estamos oferecendo os produtos paras as empresas especializadas”, informa.
Com a visita de Luzete Silva ao Sítio Panakuí, iniciamos mais uma fecunda parceria nas ações ecológicas.
O curso Ecologia e Criatividade, além dos participantes, contou com o apoio da AGERP, através do seu presidente, Jorge Fortes; dos vereadores Honorato Fernandes e Bárbara Soeiro. Nós agradecemos a confiança.DSCN2052

DSCN2053

DSCN2054

DSCN2055

DSCN2056

DSCN2057

DSCN2058

DSCN2059

DSCN2060

DSCN2061

DSCN2062

DSCN2063

DSCN2064

DSCN2065

DSCN2066

Casa de janelas abertas ao mundo

Casa de janelas abertas ao mundo, ao vento, à felicidade
Casa carregada de cheiros, barulhos e gostares
Casa feita de palha e coberta de luzes
e rodeadas de flores azuis, roxas e brancas
Sítio visitado por pássaros, borboletas,
Abelhas e outras criaturas que entram
sem pedir licença.
Sítio com plantas e frutas
Tem cocos, mangas, acerolas e pitombas
Sítio com jeito de casa de sonho
Casa com cara de sonho de criança.

DSCN2046

DSCN2047